Diva e o Bilhete para o Boom Festival 2018

Há coisas irrefutavelmente importantes na vida. Para muitos, ir ao Boom Festival é uma delas.

Já não é novidade que, de dois em dois anos, se instala uma febre piscadélica que deixa a juventude que se preza sem noção de tempo e de espaço. Falamos de jovens famintos de uma semana de liberdade, e felicidade sem limites, capazes de cometerem verdadeiras loucuras para não perder o evento mais importante das suas vidas. Dramático, eu sei.

É certo que é um festival único, mas também é verdade que a organização, este ano, deve ter andado a consumir LSD antes de tempo. Está mais difícil arranjar um bilhete para o referido evento, do que entrar para a Maçonaria. Com cunha.

Fazendo um pequeno rewind, tudo começou com o esperado lançamento da plataforma de venda de bilhetes online. Os fiéis seguidores, já com peladas na cabeça próprias da ansiedade, depararam-se com uma patética experiência de compra, visto que a plataforma teve que ser encerrada pouco tempo depois de ter sido ativada. A organização, por sua vez,  alegou ter sofrido um ataque de hackers. Argumento válido mas, a meu ver, um pouco duvidoso. Todos reconhecemos no festival a perícia na conceção de WC´s sustentávels, ou na decoração de inspiração feng shui freak-chique, mas suspeito que possa ter as suas fraquezas programáticas. Aliás, convenhamos, os adeptos da Natureza, e do pé descalço, sempre tiveram relações conturbadas com a Tecnologia. Também me parece improvável que os Anonymous tenham largado o Daesh para se dedicar aos festivais de música Trance. Mas, tudo é possível.

No seguimento deste flop de vendas online, ficou tudo à espera que a plataforma regressasse à vida. E, a seu tempo, regressou. Num par de horas já se esgotava a primeira fase de vendas. Os mais sábios, e velozes, conseguiram comprar os seus bilhetes que, automaticamente publicaram no Facebook, como quem diz: “Aqui estão seus burros inúteis”. No fundo, a dirigirem-se a pessoas do mundo real que, como eu, se esquecem constantemente da pass do paypall, e que têm um pouco mais que fazer do que babar o teclado à espera da abertura das urnas. No fundo, sou um espécie de escroto para esta geração revolucionária que prefere uma autocaravana a um T2 na Lapa apesar de comprar tudo na ASOS. E com desconto.

Porém, nada perdido ainda, a odisseia continuou com a divulgação de uma rede de embaixadores, comunicando que estes terão bilhetes disponíveis a partir de dia 19 de dezembro, por ordem de chegada, comprovativo de morada e, já agora, 10 gotas de sangue de alguém amado e um punho de cabelos do filho primogénito.

Nesta lista, o que também achei deveras curioso, consta um embaixador particular que, generosamente, e também muito ingenuamente, disponibilizou o seu contacto telefónico no site.

Como me pareceu uma via mais direta, e eu valorizo um serviço ao cliente próximo e eficaz, liguei-lhe. Atendeu uma voz desesperada, como quem detém a responsabilidade de decifrar o código nazi em tempos de guerra. O pobre coitado revelou-me, em sofrimento, e possivelmente depois de ter tomado 3 Xanax, que em dois dias já lhe tinham ligado mais de 50 vezes. Apesar do estado pré- Júlio de Matos gritante, sugeriu-me que lhe ligasse no dia 19 de dezembro, o dia do Juízo Final. Também me deixou uma mensagem de esperança peculiar:

“Liga-me no dia e logo se vê”.  <3

Com isto, resta-me dizer, obrigada Boom Festival por toda a atenção, carinho e dedicação que apresentam aos portugueses como vós, e lembrem-se que um dia também tiveram cartões Visa do IKEA e não American Express.

Com um Marketing destes, para ano estão a fazer frente à Coca-Cola no Natal.

Love,

D.

3 Comments Add yours

  1. um qualquer says:

    acho que essa raiva contra pessoas que pensam diferente do que tu não deveria estar expressada nesse texto contra o boom. porque se já estiveste num sítio destes sabes que muitas coisas que sentes numa semana lá (sem falar de experiencias com psicotropicos) não consegues sentir na sociedade actual durante uma vida. a compreensao que adqueres por viveres com pessoas dispostas e gratas a vida como tu nao se compra. obrigado. bem haja

    1. Grande bem haja também e já gosto de si que diz “bem haja”. Também agradeço a view. <3 Só não percebi o que são pessoas dispostas à vida mas lá chegarei. <3

  2. Chili Jason says:

    Diva, conseguiste bilhete? Consegui um, do nada, agora na revenda dos devolvidos. Estreia absoluta, no evento e no género. Já li dezenas de artigos e relatos; vi (e ouvi) vídeos sem conta mas, não deixo de estar ansioso.. Falta pouco, muito pouco 🙂 um oxalá que nos vejamos por lá!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *